Monitoramento da qualidade das águas dos municípios brasileiros revela presença de agrotóxicos

Monitoramento da qualidade das águas dos municípios brasileiros revela presença de agrotóxicos

24/04/2019

Provavelmente você recebeu nos últimos dias via WhatsApp ou Facebook um link para saber se a água de seu município está contaminada por agrotóxicos e, com isso deve ter se perguntado se era apenas mais um vírus e se os dados de fato são reais.

Acontece que eles são sim!

Os dados foram publicados no Site “Por trás do Alimento”, e é fruto de uma investigação em conjunto realizada pela Repórter Brasil, Public Eye e Agência Pública.

“Os dados utilizados são do Sistema de Informação de Vigilância da Qualidade da Água para Consumo Humano (Sisagua), do Ministério da Saúde. Além do número de agrotóxicos na água por cidade, os dados permitem também enxergar a concentração dessas substâncias, que é medida em microgramas por litro. (…) Os dados foram obtidos por meio da Lei de Acesso à Informação em abril de 2018. (…) Depois que os dados foram enviados à reportagem, o Sisagua passou a divulgar as informações no portal Dados Abertos do governo federal, onde elas podem ser acessadas na sua versão mais atualizada. O Sisagua reúne os resultados de testes que medem a presença de 27 agrotóxicos na água que abastece as cidades. As informações são enviadas por autarquias estaduais, municipais e empresas de abastecimento. A lei brasileira determina que os fornecedores de água no Brasil são responsáveis por realizar os testes a cada seis meses e apresentar os resultados ao Governo Federal.” – Afirma o site.

No site/mapa é possível colocar o nome do município de interesse e saber quais agrotóxicos foram encontrados, se estão relacionados à doenças crônicas, se estão acima dos limites legislativos brasileiros e europeus, além da frequência na qual apareceram nos testes.

As regiões na qual a Lanasolo atende apresentaram diversos agrotóxicos em suas águas, sendo alguns relacionados ao câncer, defeitos congênitos e distúrbios endócrinos, como por exemplo Alaclor, Atrazina, Carbendazim, Clordano, DDT, DDD, DDE, Diuron, Glifosfato, Lindano, Mancozebe, Permetrina e Trifluralina.

Ao clicar no nome do agrotóxico no site é possível saber informações a respeito do mesmo, bem como sua classificação em relação à toxicidade, sintomas que pode causar, frequência na qual vem sendo encontrado no Brasil e valores máximos permitidos (VMP).

Os VMP discutidos são baseados no Anexo XX da Portaria de Consolidação N°5 do Ministério da Saúde. Tal portaria contempla parâmetros analisados em nosso laboratório.

Ficou curioso para saber se a água de sua região é contaminada por agrotóxicos? Acesse: https://portrasdoalimento.info/agrotoxico-na-agua/

O Ministério da Saúde também divulga informações periódicas sobre a qualidade da água nos municípios e seus dados podem ser encontrados no link http://dados.gov.br/organization/ministerio-da-saude-ms clicando na etiqueta “QUALIDADE DA ÁGUA”.

Quer saber a qualidade da água de sua propriedade ou estabelecimento comercial? Então entre em contato conosco!

lanasolo.agua@gmail.com

Telefones:

(43)3542-3292 ou (43) 99986-5913 – Adrielly Ribeiro – Representante Norte Pioneiro/PR e Ourinhos/SP.

(18) 99661-1508 – Gabriela Fidemann – Química Responsável/Representante Regiões de Assis/SP e Palmital/SP

Sobre o Autor

Gabriela Pereira editor